Textos


Sem cheiro e sem sabor !

Olhando o agitado tremular das bananeiras no quintal, a brisa que corre escorregadia no terraço e, os cachorros que latem desesperados a comunicarem não sabem o quê, ninguém sabe!  O sol que se debruça de raspilha, que escorrega sua luz pela parede e assim impede a noite chegar com antecedência, o almoço que não chega e, quase mata de fome, mas educadamente se espera com impaciência. 

A casa, por enquanto vazia, da esquerda, a  casa solitária e triste da direita, e nessa mesa de mármore se busca a melhor companhia!

A serra elétrica de ferro que irrompe o silêncio da tarde, a motocicleta sem silenciador que atiça os cachorros , que latem, latem e latem, mas que comunicam nada.  E o carro que passa, mas, que não se mostra, dado o muro de pedra que nos priva do mundo cá fora. Que nos priva do resto da alameda.

Ouve-se bem de longe grilos e rãs que cantam a desconhecida música dos insetos.  - Será que vai chover?  - quem sabe!

A mulher, meu amor, que liga pra saber se a receita médica chegou. E  sem paladar e sem olfato, aguarda-se nova hora de recomeçar o tal : in the home office., ou seria melhor dizer logo; trabalho em casa. Parece que não, talvez não pareça tão modal,  tão chique,  tão pra frente!

O mundo não parou, mas, perdeu velocidade e, quem iria adivinhar?  A natureza 

não respeita a ninguém e sempre! sempre! procura seu lugar (...)
 
Uma serra elétrica de ferro que corta o silêncio, as folhas das bananeiras do quintal que tremulam como numa disputa de beldades, umas sobrepostas às outras, o vento fresco e fraco que apareceu com a ausência do sol, o  almoço! finalmente o almoço: carne ao molho, arroz , queijo coalho assado, salada fresca: rúculas, tomates, ervilhas, milhos, alfaces, cenouras, beterrabas, acelgas, hortelãs - certamente azeite e vinagre balsâmico, pela cor é balsâmico - suco de goiaba com limão e hortelã - Não há qualquer gosto, sabor, nem cheiro,  mas, mata a fome, a cor é bonita e o amor com o qual foi feito faz  lembrar, num esforço hercúleo, o sabor que as coisas tem e, por enquanto, tinham.
 
- Pronto! Almoço encerrado. Toca o telefone, toca; a portadora aguarda do outro lado da cidade a receita a ser assinada pelo doutor. E em profunda espera, espera-se o médico gastar sua empunhadura medicinal e assinar...
 
O vento sopra são 15h15minhs, hoje não foi possível ler todos os jornais, pelo menos não o do Comércio ( JC ), só o Valor, mas, da pra fazer até o final do dia. – Afinal é vício e, pra isso precisa-se de tratamento, porém primeiro de consciência, ou no mínimo de ciência, mas deve ser espontânea e, sinceramente, não é o caso, pelo menos parece que não convém!  Sem café ou sobremesa, o que adiantaria, sem cheiro e sem gosto, é ir pro tal:  In the homem office, garantir tudo de novo,    pra ver o gentil tremular das bananeiras no quintal, a raspilha de sol e, os cães que latem ou ladram, sem dizerem nada. Até porque a quarentena só acaba após o quatorze dias.

- Eita! começou a chover, foi o canto dos répiteis!    

Taciano Minervino.
Jaboatão - 12.05.2020



 
Taciano Minervino
Enviado por Taciano Minervino em 12/05/2020
Alterado em 12/05/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários