Textos


A forja improvidente.

De longe ver-se a áspera forja
que espera atenta o serviçal gentil
trabalhador braçal, letrado ou intelectual
privado, público, doravante, quiçá; senil

A máquina aparelhada mostra-se gulosa
tragando sonhos e esperanças a frio
fazendo à enxofre seu caminho nebuloso
quem objetará a este engodo hostil?

Há de se recorrer a reza, ou adivinhação
despacho de cachoeira na mata virgem
improvidente previdência antissocial
cheia de sortilégios zombeteira sem razão

É de se largar o sol a pino e tropical
na cara nua, sem poder pensar
com quantas dores reside, meu Deus,
essa gente humilde que mal sabe sonhar?

E tome samba, suor e cerveja.
Taciano Minervino
Enviado por Taciano Minervino em 24/11/2017
Alterado em 11/01/2018
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários